O Cristão e o seu Relacionamento diante do Mundo

sal terra“Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para coloca-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas obas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Mt.5:13–16.

Nesses últimos dias, somos testemunhas através de jornais, da TV e de nossa própria observação em relação ao mundo em que vivemos essa escuridão que escraviza a sociedade, a qual está inclinada cada vez mais ao pecado.

Pessoas que a cada vez se tornam mais amantes de si mesmos, escravas ao pecado, inclinadas ao mal e opositoras a justiça de Deus. Assim sendo, como deve ser a relação do cristão com essa sociedade, essa cultura, cada vez contrária a Deus? Veremos o que Jesus ensina a nós que somos seus discípulos.

Jesus Cristo ilustra através do texto como podemos relacionar e assim influenciar essa sociedade corrompida por causa do pecado de duas formas.

Na sua primeira ilustração Jesus Cristo primeiro compara o cristão como o sal. E o sal tem duas importâncias na nossa vida. A primeira importância do sal é dar sabor nos alimentos. Há certos tipos de alimentos que são muito desagradáveis ao nosso paladar se não tiver a aplicação do sal. Assim, naqueles dias como nos dias atuais, o sal era e é considerado um ingrediente de suma importância, muito essencial na cozinha. Assim sendo, como Cristo revitalizou e trouxe um gosto à vida do cristão, também cada cristão por sua vez deve fazer o mesmo pela vida de outros por meio do Evangelho de Jesus Cristo.

A segunda importância do sal é ser um agente conservante contra, putrefação, ou seja, a decomposição dos alimentos. Antes do advento das caixas de gelo e dos modernos refrigeradores, o sal era um meio principal de conservar alimentos. Era usado quando peixes eram transportados no lombo de burros por cerca de 160 km de distância de Cafarnaum até Jerusalém, assim esses alimentos em seu transporte deviam ser abundantemente salgados. Portanto, o seguidor de Cristo, o Cristão, deve ser um agente conservador na cultura não cristã desses dias. Não se pode deixar de imaginar o que aconteceria com a sociedade atual, com toda a podridão moral, senão fosse a presença da Igreja anunciando o Evangelho vindo assim a agir como conservante contra o pecado.

Contudo, tudo isso que o sal aqui representando o cristão, só poderá ter seus efeitos, sabor + conservação, se tiver relacionadocom a sociedade desse mundo sem Cristo Jesus.

Na sua segunda ilustração Jesus compara o cristão como a luz. Todos sabem da importância da luz. Jesus Cristo se declarou certa vez dizendo; “Eu sou a luz do mundo” (João 8.12). Os discípulos são a luz do mundo, e assim como a Lua reflete a Luz do Sol no lado escuro do Planeta Terra, a Igreja deve refletir os raios solares do “Sol da Justiça” – Jesus Cristo –em um mundo que se encontra trevas por causa do pecado. Assim os cristãos são como “uma cidade edificada sobre um monte” – gostem ou não, os cristãos estão expostos perante o mundo o tempo todo. Não se pode mais escapar dessa missão de influenciar essa cultura desviada de Deus, os cristãos tem que tornar referencial trazendo luz e levando os homens afastados de Deus, por meio do pecado, a encontrarem o caminho através da pregação do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, e ele o cristão não pode fugir desse dever que lhe foi dado, assim como ninguém é capaz de fugir de sua sombra.

Na mesma ilustração onde o cristão é comparado a luz, Jesus também declara que o cristão não é somente “uma cidade edificada sobre um monte”, mas também é como uma lâmpada aqui “candeia” que não pode ser colocada debaixo de uma vasilha aqui “alqueire” e sim deve ser posta no velador, onde todos dentro da casa que nos tempos da Palestina eram casas de apenas um cômodo isso nas casas mais carentes e sem janelas as quais quando a lâmpada – uma pequena botija de barro com azeite como combustível – era usado num certo lugar da casa para que alumiasse a todos que estavam dentro. Assim o cristão é chamado através da sua vida a iluminar a ser luz por meio de suas obras refletindo assim a glória de Cristo, para que através destas os homens venham ver o brilho de Jesus em suas vidas e assim glorifiquem a Deus.

Contudo para que isso aconteça é necessário que haja um relacionamento influente do cristão com o descrente, porque somente assim haverá um impacto profundo nessa sociedade. Escravizada ao pecado.

Portanto, diante dessa ilustração que Jesus Cristo nos trouxe referente a sermos como o sal e a luz, temos que estar dispostos a nos apresentarmos em um relacionamento de grande influência na sociedade não cristã a qual vivemos, pois Jesus em sua oração não disse; “ Pai tires o do mundo”, mas sim “ que o guardes do mundo”. Assim devemos lutar contra o pecado que escraviza essa sociedade, agindo contra o pecado de forma conservadora como o sal e iluminadora como a luz que brilha nas trevas. Contudo como temos vivido? De que forma somos? Somos como o sal que perdeu os seus efeitos e por isso deve ser lançado fora? Somos como a luz escondida que assim não tem valor? Por isso, então vivamos de modo que venhamos a influenciar aqueles que estão em nosso meio social!

Por Márcio Pereira Gonçalves

#Compartilhar